segunda-feira, 24 de maio de 2010

Júnior Lopes


Chet Baker
Jim Morrisson, John Lennon e John Coltrane. O talento e o legado artístico destes músicos ficou para sempre imortalizado nos seus trabalhos discográficos. Agora, os seus rostos e o de outras conhecidas personalidades foram também eternizados pela mão do artista plástico brasileiro Júnior Lopes. Utilizando retalhos dos mais diversos tecidos, Júnior confere novas cores e texturas a caras já tão familiares em todo o mundo.
Do caos nasceu a arte: algumas toalhas pretas e uma outra de flores brancas espalhadas no chão da casa do artista fizeram nascer o primeiro retrato. A junção acidental e desordenada de cores, materiais, padrões e volumes trouxe a imagem do mítico guitarrista Jimi Hendrix à mente de Júnior Lopes. A partir daí, muitas foram as célebres personalidades que "emprestaram" a sua imagem ao desenvolvimento da refrescante e inovadora técnica artística: Gandhi, Fernando Pessoa, Roberto Carlos, Andy Warhol, Adoniran Barbosa, Jim Morrisson, entre outros.
A Levi's viu no trabalho deste artista uma possibilidade única de promover os seus jeans da forma mais original e genuína, utilizando a sua própria ganga na produção dos retratos que fizeram parte do catálogo da marca em 2004. Nunca o propósito da promoção publicitária de uma marca tinha sido conseguido tão literalmente e, por isso, a campanha não passou despercebida: o prestigiado Festival Internacional de Cannes atribuiu-lhe um Leão de Ouro.

John Coltrane
Os recortes e colagens de Júnior Lopes dão forma ao imaginário coletivo de todo um planeta, mas ganham ao mesmo tempo uma identidade própria. Já não são apenas músicos, cantores, escritores e pintores que vivem naqueles retratos de pano; simbolicamente, os seus rostos são, por sua vez, um retrato de corpo inteiro de uma visão artística singular.
Júnior Lopes é também cartunista e caricaturista, sendo que as suas criações já preencheram as páginas de publicações como a SuperInteressante, a Rolling Stone e a Folha de São Paulo. Recentemente, a revista Gráfica, considerada uma das referências em design e artes gráficas no Brasil, dedicou a sua capa e várias páginas aos trabalhos feitos em diversos tecidos pelo artista residente em São Paulo.
A sua criatividade já foi exposta além-fronteiras, em Moçambique; o génio do artista é também apreciado na Alemanha, em Itália e em Cuba, países de onde já surgiram diversas propostas que Júnior Lopes está agora a estudar.

Jimi Hendrix

Roberto Carlos

Fernando Pessoa

Ella Fitzgerald

Andy Warhol

1 comentário:

EMOÇÕES disse...

Olá Jorge!
Achei esta postagem muito interessante.
Não conhecia esse artista plático.
Parabéns pela escolha!
Beijo...